G1 SC – 09/10/2018 06h00 Atualizado há 5 horas
Por Juliano Zanotelli

Já foram coletadas cerca de 1,7 mil cápsulas para a realização do projeto, em Chapecó.

Sementes do projeto da IFSC — Foto: Marcos Euzébio Maciel
Sementes do projeto da IFSC — Foto: Marcos Euzébio Maciel Sementes do projeto da IFSC

Ao perceber o grande volume de resíduos que era gerado com a utilização da máquina de café expresso com cápsulas, o professor de Biologia do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), do Câmpus Chapecó, constatou que mesmo sendo recicláveis, as cápsulas apresentavam diversos tipos de materiais, como plástico, alumínio e o orgânico, a borra de café, e a destinação delas, muitas vezes eram os aterros sanitários.

O coordenador do projeto explica que o mesmo foi concebido no início de 2017 com o objetivo de desenvolver modelos de sementeiras a partir do reaproveitamento de cápsulas usadas.

“A ideia foi desenvolver modelos que sejam viáveis para as pessoas montar em casa e reaproveitar o próprio resíduo gerado, reduzindo a quantidade de cápsulas que não teriam a destinação correta”, explica.

Como foi organizada a sementeira?

As cápsulas são coletadas através de uma campanha com pontos de coleta no IFSC e na Universidade da Fronteira Sul (UFFS) de Chapecó. Quando chegam no Câmpus são levadas para o Laboratório de Ciências onde são desmontadas completamente.

Marcos explica que a parte externa é utilizada para montagem das sementeiras, já as partes plásticas do lacre superior e parte interior são separadas e encaminhadas para reciclagem. A borra de café é levada para compostagem em um espaço próximo a horta urbana do Câmpus.

“A criação dos protótipos aconteceu em etapas. Foram avaliadas a resistência, capacidade de uso do maior número de cápsulas e viabilidade para cultivo de vegetais comumente utilizados em hortas domésticas”, destaca.

Os primeiros protótipos envolveram o uso de bandejas de papel para ovos ou palitos de churrasco de bambu colados às cápsulas com cola-quente, porém estes primeiros protótipos não resistiram às condições climáticas e de rega, necessárias para o cultivo das mudas.

Já o protótipo que se mostrou com melhores condições para uso utilizou apenas as cápsulas transpassadas com palitos de churrasco de bambu. O coordenador explica que esta sementeira utiliza 25 cápsulas em formato quadrangular, e as próprias cápsulas apresentam um orifício que serve para drenagem da água da rega. O substrato utilizado para o cultivo das mudas é solo misturado com substrato orgânico comercial na relação de 1 por 1.

Sementes do projeto do IFSC em Chapecó — Foto: Marcos Euzébio Maciel
Sementes do projeto do IFSC em Chapecó — Foto: Marcos Euzébio Maciel

Cápsulas reaproveitadas

Até o momento foram coletadas e utilizadas na montagem de sementeiras aproximadamente 1,7 mil cápsulas. A campanha para coleta das cápsulas foi realizada a partir de material gráfico e pelas redes sociais criados pelos bolsistas nos Câmpus do IFSC e da UFFS, em Chapecó.

O lema da campanha é “Projeto Cápsula + Semente = Sustentabilidade – Seu cafezinho, nossa semente, uma união sustentável”.

“Cada vez mais o conceito de desenvolvimento sustentável está presente no cotidiano das pessoas. O uso dos recursos naturais precisa ser ambientalmente correto, economicamente viável, culturalmente aceito e socialmente justo, para que as práticas sustentáveis tenham efetividade”, completa.

Serviço

  • Projeto Sementeiras feitas com cápsulas de café – Chapecó
  • Início das atividades: 2017
  • IFSC Câmpus Chapecó – (49) 3313-1240