CaféPoint | 25/07/2017 18:50:43

Em seu último ano fiscal, a Etiópia exportou 221 mil toneladas de café e obteve US$ 866 milhões. De acordo com a Autoridade Etíope de Desenvolvimento e Comercialização de Café e Chá, o país alcançou 92% do seu objetivo definido para aumentar as exportações. “É uma conquista muito grande em comparação com o desempenho das exportações de café dos anos anteriores do país”, disse.

Comparando com os volumes de exportação de café de 2015/2016, houve um crescimento de 11,5% nas exportações de café durante o recém encerrado ano fiscal de 2016/2017. Além disso, o rendimento externo do café aumentou em 20% devido ao aumento do preço global do café.

Em uma recente entrevista para o portal The Ethiopian Herald, o diretor da Direção de Desenvolvimento d Promoção do Mercado, Dassa Daniso, disse: “o café etíope chegou a ser importado por mais de 60 países. Neste ano, 57 países importaram o nosso café e, em particular, 86% do total das exportações foram destinadas à Alemanha, Arábia Saudita, Japão, EUA, Bélgica, Sudão, Coreia do Sul, entre outros”. Segundo ele, a Alemanha, sozinha, importou 18% do café da Etiópia durante o período reportado.

Daniso também relatou que os cafés Sidama, Yirgacheffe e Harar Coffee Beans foram reconhecidos como cafés etíopes de marca internacional. “O governo também tem trabalhado mais para obter marcas para outros tipos de grãos de café no país”, completou.

Ele ressaltou que até agora o país não se tornou competente suficiente para exportar café com valor agregado, já que o antigo controle de qualidade do café e a proclamação de comercialização não permitiam exportar café torrado. O novo controle da qualidade do café e a proclamação de comercialização foram aprovados recentemente, de modo que o país em breve começará a exportar café torrado.

O governo deu ênfase na atração de investidores de café, fornecendo vários incentivos como tornar as terras disponíveis com baixo preço, facilitar empréstimos bancários com juros baixos, permitir importações de máquinas isentas de impostos, entre outros. No entanto, o processo prolongado de cadeia de comercialização, o comércio ilegal de café, entre outros, ainda são gargalos enfrentados pelo mercado de exportação de café.

As informações são do The Ethiopian Herald / Tradução Juliana Santin