A Colômbia está decidida a retirar sua oferta de café da Bolsa de Valores de Nova York, que é comercializada através dos chamados Contratos C, vai fazer isso sem o apoio dos outros países que produzem as variedades suaves ou arábicas.

Isso foi reiterado pelo gerente da Federação Nacional dos Cafeicultores, Roberto Vélez Vallejo, em diálogo com a Portafolio.

Ele disse que “se outros países não se juntarem à nossa proposta de abandonar o preço de referência da Bolsa de Valores de Nova York por café suave, faremos isso sozinhos”. O dirigente sindical apontou que esse é um dos resultados que os produtores nacionais decidiram para enfrentar a crise nos preços dos grãos, que afeta 650 mil produtores em várias regiões do país.

O gerente da Federação reiterou que os baixos preços do grão não são um problema exclusivo da Colômbia, mas das nações produtoras.

“Estamos todos explodidos. Eu recebi ligações de líderes sindicais de vários países para nos dizer que eles também estão analisando essa possibilidade “.

Na terça-feira, o preço internacional do café na Bolsa de Nova York fechou em 96 centavos de dólar por libra-peso, o menor dos últimos seis meses, e um dos menores desde 2013. Essa cotação provocou outra queda no preço doméstico, já que foi colocada em 682.000 pesos a carga de 125 quilos.

“Na semana passada estive em Atlanta (EUA), participando da convenção anual da Associação de Torrefadores de Café dos Estados Unidos, e nos reunimos com os industriais daquele país. Nós explicamos por que estávamos pensando em tirar nosso café e fazê-lo junto com outros países produtores de soft “, disse Vélez.

“O que eu disse aos industriais dos EUA é que todas as opções de solução estão abertas, mas a única que a Colômbia não vai aguardar e ver seus cafeicultores irem à falência”.

Sobre as possíveis conseqüências que essa medida terá para o setor cafeeiro colombiano, Velez disse que o mais importante é que os torrefadores dos Estados Unidos dizem: não compro café da Colômbia, mas de outros países, como Honduras, por exemplo. “Nesse caso, nossa resposta será muito clara: se Honduras quiser levar seus produtores à falência porque o faz. Estamos propondo que uma coisa coordenada seja feita entre as nações produtoras de soft. Se eles não nos pagam o custo de produção, nós não vendemos café. ”

O líder sindical assegurou que várias nações produtoras de café expressaram sua solidariedade à Colômbia, mas ainda não está decidido a partir de quando o país sairia da Bolsa de Valores de Nova York e não há certeza sobre quais países aceitariam a proposta.

A crise do café é registrada em um momento em que o país está prestes a iniciar a colheita da safra de ‘mitaca’, que ficaria entre 5,9 e 6,3 milhões de sacas, muito semelhante à produção do ano passado nesta safra no país, que se origina principalmente nos departamentos de Huila, Cauca, Tolima, Nariño, Caquetá e Putumayo.

O problema sério é que não se espera uma recuperação considerável dos preços neste ano, pois o mercado estará bem abastecido, como resultado de boas colheitas no Brasil e no Vietnã.

O SUBSIDIUM RETORNARIA

O gerente da Federação disse que os produtores nacionais não mudaram a estratégia, que se baseia em dois pontos: um é a fixação de um preço de referência internacional para o café da Colômbia, e uma segunda medida consiste buscar recursos para conceder ajudas diretas aos produtores, a curto prazo.

Velez confirmou a Carteira de que o governo está disposto a permitir que os produtores de café usar os US $ 95.000 milhões foram alocados em outubro do ano passado como capital semente para a Estabilização Fundo de preço do café para usá-los ao seu destino original, é digamos, como ajudar os produtores diretamente.

O funcionário disse quarta-feira haverá uma reunião do Comité de Direcção da Federação, para determinar o preço mínimo em que o auxílio seria ativado, enquanto o valor da subvenção a ser recebido pelos produtores para cada lote de café vendido em será definida as cooperativas de cafeicultores, no momento em que a cotação interna está localizada abaixo dos custos de produção.

Executivos da Federação reuniram-se com um grupo de congressistas para trabalhar na busca de soluções rápidas para a crise de preços gerada pela queda dos preços internacionais de grãos.

A produção nacional de café é estimada neste ano a uma taxa muito semelhante à de 2018, ou seja, cerca de 13,6 milhões de sacas. Por enquanto, as notícias positivas do setor é que a colheita está prestes a ser recolhido sem problemas porque o café não está infectado com ferrugem (fungo) eo bit (insetos), como já aconteceu no passado, graças que o comportamento das chuvas tem sido favorável para a cultura.

Na situação actual, os produtores só podemos esperar uma recuperação dos preços internacionais ou um aumento no preço do dólar, pois esta é mais provável a subir no valor externo. No entanto, em dias como este terça-feira, um golpe duplo foi gravado, como eram os preços internacionais dos grãos (de 97 a 96 centavos de dólar por libra), e moeda americana de US $ 3,168 na segunda-feira a US $ 3.153.

OS SUBSÍDIOS, UMA MEDIDA DE CHOQUE

Os produtores de café teriam um subsídio direto para cada carga de café nos próximos dias. O montante de apoio em dinheiro pode ser conhecido hoje, bem como o preço mínimo que servirá como gatilho do subsídio.

Em outubro do ano passado, o governo e os produtores concordaram com um subsídio de até US $ 25.000 para a carga a partir do momento em que o preço doméstico foi colocado abaixo dos US $ 700.000.

Para fazer isso, US $ 100.000 milhões de pesos foram atribuídos, dos quais apenas US $ 2.500 milhões foram utilizados, devido ao fato de que os preços subiram novamente acima do piso fixo.

A idéia é que os recursos excedentes, que passaram como capital inicial do Fundo de Estabilização do Café, voltem a fazer parte da política de subsídios.