Valor – 09/05/2018 – 16:53

Por Alda do Amaral Rocha

A Cooperativa Regional dos Cafeicultores de Guaxupé (Cooxupé), a maior de café do mundo, está revisando para baixo a estimativa de recebimento de café da safra 2018/19. De acordo com o superintendente comercial da Cooperativa, Lúcio Araújo Dias, a previsão agora é receber 4,2 milhões de sacas de café arábica dos cooperados e 1,2 milhão de sacas de terceiros. A previsão anterior, de novembro, era um recebimento de 4,5 milhões de sacas de cooperados e 1,5 milhão de sacas de produtores não associados neste ano.

A revisão se deve à expectativa de que a safra não seja “tudo isso”, disse Dias antes da solenidade de abertura do Seminário Internacional do Café de Santos. Segundo ele, na região do Cerrado mineiro a carga dos cafeeiros não está tão boa quanto se esperava. Além disso, no sul de Minas, as lavouras novas de café estão mostrando uma produtividade baixa pois sofreram
com falta de chuvas após a florada em outubro e novembro de 2017. Na região da Mogiana paulista, onde a Cooxupé também atua, a produção está boa, segundo ele.

Embora haja divergências em relação ao tamanho da safra brasileira no ciclo 2018/19, Lúcio Dias disse que a Cooxupé considera que os números da Conab “são bastante condizentes” com o que se vê nas lavouras de café. A estatal estima uma produção entre 54,4 milhões e 58,5 milhões de sacas no total, sendo de 41,7 milhoes a 44,6 milhões de sacas de arábica.

Segundo Dias, os estoques de café no país estão quase zerados. Ainda assim, apesar de a safra ser “justa” em 2018/19, ela deve ser suficiente para atender a demanda doméstica e as exportações de café do Brasil.