Tribuna da Bahia – 06/08/2018 12:33 | Atualizado há 21 horas e 52 minutos

Vários estudos científicos foram realizados para entender como a bebida pode ajudar na saúde de quem o consome regularmente

O Brasil é o segundo maior consumidor de café do mundo. De acordo com o relatório da pesquisa Tendências do Mercado de Cafés em 2017, patrocinada pela Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), os brasileiros consumiram 1,7 milhão de toneladas do produto no ano passado. Aliado a isso, vários estudos científicos foram realizados para entender como a bebida pode ajudar na saúde de quem o consome regularmente. Lucas Moreira, sócio e co-fundador da Splash, cafés e bebidas urbanas, que tem a maioria de seus produtos feitos à base do grão, separou as principais vantagens.

Reduz o risco de morte

Doenças circulatórias correspondem a 22% das mortes no Brasil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O consumo do café em níveis mais altos está ligado a uma propensão menor por morte desse tipo, além de diminuir o risco de morte por todas as causas.

Auxilia na prevenção do câncer no útero

O ácido clorogênico, um dos principais compostos do café, ajuda, entre outras coisas, na prevenção do câncer de útero. Pesquisa realizada pela universidade de Harvard revela que ingerir uma xícara de café por dia pode reduzir em até 7% a possibilidade de desenvolver tumores no endométrio – tecido que reveste toda a parede interna do útero.

Prevenção de diabetes

Os compostos fenólicos presentes no café auxiliam a ação da insulina nas células. Deste modo o organismo não precisa produzir mais quantidades desse hormônio que pode causar a diabetes tipo 2, quando em excesso.

Previne doenças cardiovasculares

Beber de três a quatro xícaras de café por dia tende a diminuir as chances de morte por doenças que atingem o coração. Segundo dados do Business Insider, uma revisão de 200 pesquisas revela que essa taxa pode cair em até 19% com o consumo constante.

Evita cirrose

Beber uma xícara de café por dia pode reduzir em até 22% o risco de cirrose, doença que atinge o fígado geralmente ocasionada pelo excesso consumo de álcool. A pesquisa é da Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer (IARC), após avaliação de 14 mil pessoas.