CAFÉPOINT – 10/04/2019

O Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) apresentou seu relatório do mês de março. Nele, foi mostrado que o Brasil exportou 2,9 milhões de sacas de café, considerando a soma de café verde, solúvel e torrado e moído. O volume representa um crescimento de 10% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Com isso, foi gerada uma receita cambial de US$ 379,1 milhões, uma queda de 11% quando comparado com 2018. Na mesma comparação, o preço médio da saca de café em março foi de US$ 127,79/saca, queda de 19%.

Com relação às variedades embarcadas, 83,3% do volume total das exportações foram de café arábica, equivalente a 2,4 milhões de sacas. O café solúvel representou 10,9% das exportações, com 323 mil sacas exportadas. Já o café conilon (robusta) atingiu a participação de 5,8%, com o embarque de 173 mil sacas, crescimento de 125,7% em relação a março de 2018.

No primeiro trimestre de 2019, o País registrou um total de 9,9 milhões de sacas exportadas, um crescimento de 25,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. A receita cambial, neste caso, também apresentou aumento de 2,9%, alcançando US$ 1,3 milhão.

“Os resultados de exportação de café referentes ao mês de março foram muito positivos. O Brasil apresentou boa performance mesmo estando no período de entressafra, com início da colheita do café conilon que acontece em abril/maio no Espírito Santo, Bahia e Rondônia e a colheita do café arábica, em maio/junho nos demais estados e suas devidas regiões. É importante destacar que o País registrou volumes recordes de exportação nos meses de janeiro a fevereiro”, destaca Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé.

Segundo Nelson, o Brasil segue atendendo seus importadores com competência, responsabilidade e de maneira sustentável. Por isso, há um caminho para o fechamento do ano cafeeiro com ótimos resultados no desempenho, atingindo prováveis 40 milhões de sacas exportadas, um volume recorde histórico para o período.

Ano-safra 2018/2019
Com relação às exportações de café no ano-safra 2018/2019 (jul/18 a mar/19), o Brasil exportou 30,9 milhões de sacas no período acumulado, apresentando um aumento de 30,3% em relação à mesma base comparativa do ano anterior, quando o País embarcou 23,7 milhões de sacas.

Importante considerar que, no ano-safra atual, o Brasil registrou o melhor resultado de exportações de café dos últimos cinco anos.

Principais destinos
Estados Unidos segue como o primeiro destino do café brasileiro, realizando a importação de 1,8 milhão de sacas de café (18,2% do total embarcado no mês pelo Brasil). A Alemanha ficou em segundo lugar, com 1,7 milhão de sacas (17,2%). Já em terceiro ficou a Itália, com 1 milhão de sacas (10,5%).

Os demais destinos foram: Japão, com 760 mil sacas importadas (7,6%); Bélgica, com 544 mil sacas (5,5%); Turquia, com 339 mil sacas (3,4%); Reino Unido, com 317 mil sacas (3,2%); Federação Russa, com 260 mil sacas (2,6%); França, com 237 mil sacas (2,4%); e Canadá, com 215 mil sacas (2,2%).

Comparando com o ano passado, as exportações de café brasileiro apresentaram um crescimento em todos os principais destinos. No Reino Unido, por exemplo, foi um aumento de 59%, na Turquia 48% e nos Estados Unidos 36%.

Diferenciados
Em relação aos cafés diferenciados (aqueles que têm qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis), de janeiro a março, o Brasil exportou 1,8 milhão de sacas, uma participação de 18,8% do volume total do café embarcado no período. A receita cambial, neste caso, foi de US$ 312 milhões, representando 23,9% na participação do valor total da exportação.

Os principais destinos de cafés diferenciados foram os EUA, que importaram 428 mil sacas (22,8% do volume total embarcado no trimestre), seguido pela Alemanha, com 261 mil sacas (13,9%) e pelo Japão, com 242 mil sacas (12,9%).

Na sequência estão: Bélgica, com 184 mil sacas (9,8%); Itália, com 151 mil sacas (8%); Canadá, com 80 mil sacas (4,3%); Suécia, com 60 mil sacas (3,2%); Reino Unido, com 55 mil sacas (2,9%); Holanda, com 37 mil sacas (2%) e Coreia do Sul, com 33 mil sacas (1,8%).

Portos
O Porto de Santos segue como líder da maior parte das exportações no primeiro trimestre de 2019, sendo responsável por 79,8% do volume total exportado (7,9 milhões de sacas). Em segundo lugar está o porto do Rio de Janeiro, com 12,5% dos embarques (1,2 milhão de sacas).

O relatório completo está disponível no site do Cecafé.